Comentários
Postagens

8 de fev de 2012

Centenário de Glórias - Sidney Pullen


Acompanhe a série clicando aqui.

Dando continuidade à série Centenário de Glórias, nosso homenageado de hoje é o primeiro jogador estrangeiro a se destacar com o Manto Sagrado, e o único estrangeiro a jogar pela Seleção Brasileira: o inglês Sidney Pullen!

Nascido em Southampton, Pullen veio para o Brasil ainda criança. Em 1910, começou a jogar no Paysandu, time que possuía forte ligações com os ingleses. Foi Campeão Carioca em 1912, justamente sobre o Mengão, que acabava de formar seu time de futebol. Com apenas 17 anos, foi o destaque da conquista, sendo decisivo nos confrontos diretos conosco, vitória por 2x1 e empate de 1x1, marcando em ambas.

Seu talento chamou a atenção do Mengão, que logo tentou sua contratação, mas Pullen rejeitou a transferência devido à forte ligação com os ingleses e com o Paysandu. Mas Pullen logo teria que voltar atrás de sua decisão, pois em 1915 o Paysandu encerraria suas atividades após perder o título Carioca de 1914 para nós. Pullen transferiu-se então para o Mengão e levou junto seu pai, que assumiu a tesouraria do clube e foi o responsável pelo uniforme Cobra Coral. 

Jogador de muita mobilidade, o que dificultava a marcação adversária, e dono de uma canhota habilidosa, Pullen tinha uma grande capacidade de enxergar o jogo, sendo responsável por muitas assistências. Além disso, era um líder nato, orientando, cobrando e motivando seus companheiros em campo. 

Marcou seu 1° gol no dia 2 de Maio de 1915, numa partida contra o Rio Cricket, em um empate por 2x2. Pullen se entendeu rápido com o goleador do time, Ricardo Riemer, e juntos lideraram a conquista do Carioca de 1915. Foi inclusive o vice-artilheiro, com 6 gols.
Seu alto rendimento com o Manto Sagrado lhe rendeu o que é até hoje um fato inédito: atuar com a camisa da Seleção Brasileira. Disputou o Sul-Americano de 1916 na Argentina, jogando em três partidas. No mesmo ano recebeu uma outra convocação, mas dessa vez nada agradável: foi chamado pela Inglaterra para lutar na Primeira Guerra Mundial, afastando-se assim do Mengão e do futebol.

Retornou em 1917 para a Gávea, sua casa. Com Pullen de volta, tivemos algumas conquistas em torneios menores, mas ficamos num jejum de cinco anos no Carioca. O jejum só terminou em 1920, e no ano seguinte veio o Bicampeonato. Ambas conquistas foram liderados pelo craque inglês. 

Motivado e em seu auge físico e técnico, Pullen encantou a todos. Versátil, chegou a atuar como atacante, meia avançado, mais recuado e até como zagueiro. Sua visão de jogo fez com que seus companheiros fossem sempre presenteados com passes açucarados. Foi a sua consagração definitiva, sendo considerado na época como o maior ídolo do clube.

Sidney Pullen defendeu  o Manto Sagrado de 1915 até 1923, conquistando um total de 17 títulos. Com 130 jogos disputados, é o 8° estrangeiro com mais partidas disputadas pelo clube. Marcou 47 gols, sendo o 4° maior artilheiro estrangeiro. Hoje existe um sérvio que é ídolo de gerações, mas tivemos outros gringos que encantaram também, e essa tradição começou nos primeiros passos do nosso futebol. Pullen, Bria, Valido, Garcia, Reyes, Doval... Petkovic.

Em 1925, já após ter se aposentado, fez parte da comissão técnica que escalava a equipe na época, ajudando a montar o que foi considerado o primeiro esquadrão do clube, time que seria Campeão Carioca naquele ano.


Sidney Pullen é um dos Heróis do Mengão!


Saudações Rubro-Negras 

******************** 
Rafael de Oliveira
Twitter - Facebook

Imagem 1: FlaManolos
Imagens 2 e 3: Google com adaptação de FlaManolos

Compartilhe isto com a Nação
"Eu queria ser um poeta para poder te explicar,
mas não consigo traduzir o sentimento de amor que a gente tem pelo Flamengo."

---Outros posts do FlaManolos---
8 comentários rubro-negros pelo Blogger
comentários rubro-negros pelo Facebook

8 comentários:

  1. INAUGURAÇÃO DO GALINHEIRO DA GÁVEA

    O galinheiro da Gávea, que os burro-negros eufemisticamente chamam de estádio, foi inaugurado no dia 4 de setembro de 1938, com a partida entre o anfitrião Urubu e o Vasco, válida pelo 1º turno do Campeonato Carioca daquele ano. E o que era pra ser um dia de festa pros sofredores de então acabou virando um pesadelo. Isto porque o que eles mais temiam aconteceu: o Vasco foi o responsável por batizar as redes, não apenas uma, mas duas vezes, na vitória por 2 X 0 sobre o timinho em seu campo novinho em folha. Não bastasse esse tremendo mico de inaugurar seu estádio perdendo pra um de seus maiores rivais, ainda conquistaram a bi-derrota inaugural na segunda partida que disputaram em seu campo, desta vez contra o Fluminense uma semana depois. No dia 11 de setembro, levaram outros 2 X 0 do Tricolor. A maldição do galinheiro burro-negro só foi acabar na terceira partida, quando deram a sorte de enfrentar um time de menor porte e finalmente conseguiram sair do zero em seu placar.

    ResponderExcluir
  2. Muito bom, Rafael!
    Uma pena é não termos mais fotos dessa época... Muito difícil achar. Essa nossa tradição com os gringos começou cedo, e com um craque que veio do país que criou o esporte. Hoje a lista de gringos que marcaram é enorme, e incluo o Maldonado, por exemplo. Quem sabe o Botti não se consagre este ano.

    Quanto ao arco-íris engraçadinho, obrigado por, mais uma vez, nos mostrar parte da nossa história. É sempre bom ver comentários de pessoas que conhecem profundamente a nossa gloriosa história centenária. Um clube que mal nasceu, e já foi bicampeão, tendo hoje, aos 100 anos de vida, a hegemonia em todos os títulos, torcida e ídolos, mesmo nascendo depois dos demais.

    SRN

    ResponderExcluir
  3. No Mengão os ídolos não são esquecidos nem em 100 anos, mas os dirigentes principalmente dos últimos 20 anos para cá deveriam ser esquecidos pra sempre. #SRN! @frc36

    ResponderExcluir
  4. Sacaneator não perde um post da série Centenário de Glórias! Valeu pela audiência freguês, seja qual for seu time...

    Renato,
    Como bem disse a lista de gringos de sucesso com o Manto é vasta, e iremos ver grande parte desses Heróis do Mengão aqui nos posts da série Centenário de Glórias!

    Anônimo,
    Mandou bem!
    Acrescentaria não só os dos últimos 20 anos, mas os dirigentes do Mengão de forma geral...
    Como veremos aqui na série, grandes ídolos do clube só saíram do Mengão por causa dos dirigentes da época!

    A todos que conferem os posts da série, meu agradecimento e o pedido para sempre divulgarem os posts!

    SRN!

    ResponderExcluir
  5. Nossos rivais amam o Flamanolos! kkkkk
    Na falta de alegria própria eles pesquisam sobre nossas derrotas. Isso é escroto demais! kkkkk

    ResponderExcluir
  6. Mais um belo post, lembrança de épocas áureas do Mengão! Pullen, pelo descrito, foi nosso primeiro grande camisa 10, liderando em campo nosso Mengão em suas primeiras conquistas.

    Infelizmente como muito bem citado por Gustavo, Rafael e Anonimo, o problema do nosso Mais Querido são dirigentes que querem cada vez mais poderes e menos ajudar o clube. Imagine se nessas épocas já houvesse preocupação com um estadio maior.

    Mas aqui nesses posts saudamos os herois do Mengão nesses 100 anos. Parabens Pullen! Orgulho da Nação!

    ResponderExcluir
  7. Ótima postagem!

    Antes que eu me lembre que faço parte desta equipe, lembro que sempre fui leitor!

    SRN.

    ResponderExcluir
  8. Mais uma história muito rica! Além da importância do Pullen no campo, ainda trouxe seu pai que foi responsável pela criação do uniforme sagrado, Cobra Coral!
    Quem leu o texto consegue ver que era um cara diferenciado,fora as grandes partidas e títulos, o ídolo que foi do clube, ainda foi o ÚNICO estrangeiro a atuar pela seleção brasileira, que grandioso feito!
    Hoje, exaltamos qualquer um mesmo, olhem só... além de tudo que fez no esporte, o cara serviu na primeira guerra mundial!!!!! Voltou e continuou seu trabalho no clube, vitorioso como sempre!
    Valeu Pullen, o primeiro sotaque estrangeiro do Mengão!
    SRN

    ResponderExcluir

 
Uma vez Flamengo, sempre Flamengo.